domingo, 4 de julho de 2010

A beleza da imperfeição

Cheguei à conclusão de que é preciso uma pequena imperfeição para que as mulheres sejam realmente belas.

Às vezes ela é um pouco dentucinha, mas isso lhe dá um ar juvenil, às vezes são sardas (adorei esse editorial aí embaixo com a sardendinha Polina Kouklina, publicado na Numéro #53), pode ser um cabelo esquisito, um olho de cada cor, uma gordurinha extra (três vivas às gordurinhas extras!) etc... Mas o fato é que uma certa imperfeição traz um charme especial. A própria Gisele Bundchen tem um nariz um tanto excessivo, mas, em vez de diminuir sua beleza, isso lhe dá uma certa ousadia, uma graça a mais.




4 comentários:

  1. Eu queria taaaanto ter sardas... e imperfeições são legais, se não forem aqueles dentes da filha do Mick Jaeger...

    ResponderExcluir
  2. Mas não é que a Georgia Jagger parece com a Brigitte Bardot? E cá pra nós, a Bardot é musa, linda e maravilhosa, né??
    Bjo Bianca

    ResponderExcluir
  3. Mais é porque ela é bonita demais, agora sardas com um rosto feio não tem chame não rsrs.
    E a pele tão branquinha, lindona.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Eliza,
    eu acho que tem que ter um conjunto harmõnico com um toque de imperfeição, isso dá um "quê" excêntrico e exótico na beleza.
    Lembrei também que o estilo Dove de ser, linda com defeitinho rsrsrsrs.
    Bjão

    ResponderExcluir