quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Chanel e a arte bizantina

O desfile da Chanel Métiers d'Art Pre Fall 2011 ostenta um ar majestoso que exprime poder, riqueza e a grandiosidade da arte bizantina. 
O desfile é uma homenagem, segundo contam, ao 'savoir faire' (especialização), ou seja, a coleção conta com trabalhos artesanais dos
ateliers arrematados pela maison. Vou explicar: fora do circuito prêt-à-porter e alta costura, a Chanel também realiza o “Métiers d’Art” (trabalhos de arte), homenageando o artesanato dos sete ateliers que a grife adquiriu em 1997: Lesage, Desrues, Lemarié, Michel, Massaro, Goossens e Guillet. Cada uma dessas é especializada em alguma confecção diferenciada como bordado ou renda.

Esse, é um desfile é paralelo aos da Couture e Prêt-à-porter e que faz algum tempo se debruça e abraça o distante, o exótico e até o estranho. Dessa vez a inspiração foi a Arte Bizantina. Mas é óbvio que tudo filtradinho pelas características da Chanel.
O desfile aconteceu no icônico atelier da Rue Cambon. Mais Chanel, impossível!

O mosaico, técnica que consiste na colocação, lado a lado, de pequenos pedaços de pedras de cores diferentes, foi a forma de expressão preferida dos artistas do império bizantino e também usado em detalhes das roupas desfiladas por Chanel. 
 
Detalhe do mosaico bizantino que retrata a imperatriz Teodora, mulher do imperador Justiniano. Observe como Chanel adaptou os ornamentos de cabeça bizantino para o seu desfile. 
As vestimentas bizantinas tinham as barras das mangas, bainha e abertura de pescoço altamente decorados com bordados, pedras preciosas e pérolas. Se a peça não era feita de tecido bordado, a decoração seria aplicada para enfeitar.
 

 
Sandálias rasteirinhas estilo bizantino desfilaram na coleção Pre Fall 2011 de Chanel. Lindas!
 
Toda vez que a Chanel faz um desfile, além da suas roupas, bolsas e sapatos, o esmalte usado nas modelos vira objeto de desejo imediato.
Mas a bola da vez da coleção pre-fall da grife, inspirada na arte bizantina, foi um um quinteto de sobras.
Chamado de Lumières Byzantines, ele tem nuances de dourado e cada tom parece uma pedra preciosa colocada ali.
A paleta de cores da make do desfile foi inspirada no espírito e luminosidade bizantina e ainda, em uma coleção de jóias barrocas da Maison Goosens para mademoiselle Chanel nos idos de 1950.
 Palette Lumières Byzantines de Chanel
A arte bizantina foi a inspiração da make do desfile da Chanel e também as jóias como esse bracelete de bronze, de Robert Goossens: o ourives bárbaro de Chanel.

3 comentários:

  1. Geente! Tudo muito lindo! A cara da ryqueza!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Pois é Bruna mas é pra poucos mortais, né?
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Lindíssimo mesmo. Acabei de assistir um documentário sobre arte bizantina da BBC e devo dizer que achei a inspiração da Chanel maravilhosa. A gente ouve tanta besteira por aí relativa a moda, afinal agora qualquer maluco se acha um especialista em moda, que ver uma coleção inteira desse nível, coerente tanto com a história da arte quanto com a iconografia da marca, feita por artesãos de primeira linha, é realmente sublime. Renata vc me deixou muito feliz hoje. Obrigada pelo post.

    ResponderExcluir