terça-feira, 19 de julho de 2016

As descoladinhas do Vitória Moda

Ser descolado é: ser uma pessoa que se destaca na multidão, que tem atitude e é diferente das pessoas "comuns". Concordam? Pois no Vitória Moda tivemos três marcas representantes do estilo, aquelas que fogem do padrão estabelecido e são adeptas do visual alternativo.


Com um discurso de busca da identidade perdida, a Surreal mergulhou no âmago da Pop Art de Andy Wahol, movimento da década de 50, e traz para o Vitória Moda uma coleção de cores vivas, equilibrando rosas e amarelos ao branco e caramelo por meio de um shape esportivo repaginado e estampas cartunescas. 


Na verdade o Studio Eta não é uma marca, mas um espaço que abriga ideias criado para unir diversas áreas de moda e arte. Com atelie criativo, corredor de exposições artísticas, moda autoral, design e comidinhas. 
Para o Vitória Moda a bandeira da multiplicidade, da inclusão e da aceitação foi empunhada em nome do respeito ao gênero, sexualidade e normatividade. Tanto que ao final do desfile casais foram formados representando a liberdade de opção sexual.

Sobre o desfile propriamente dito, o Studio Eta apresentou uma liberdade estética com camisas oversize de algodão e o clássico macacão Tuta, contribuições das marcas Sim Sr, conhecida pela explosão de estamparia, que se junta à delicadeza da Flor de Maria, marcas encontradas nas araras da loja.


Na cartela de cores o cru, o azul marinho e o laranja deram o tom do desfile.


Na contramão das tendências, a Islavix trouxe para a passarela do Vitória Moda a coleção "(DES) EQUILÍBRE-SE!", cheia de significância e com um quê de mistico.
O equilíbrio foi representado pelo simbolo Delta, o triângulo grego que representa a mudança e fluidez. Já o uso da transparência simbolizou a importância do autoconhecimento na busca pelo equilíbrio. Minha cara isso, amei!


Nenhum comentário:

Postar um comentário